25-06-2019

  Diretor Ivo Moreira | Periodicidade Diária

Sobre Nós  |  Fala Connosco     

Ao ter o seu trabalho apoiado por artistas como Tony Humphries, DJ Spen, Grant Nelson, Jamie Lewis, Jask, Mr. V, Quentin Harris, DJ Meme, Groove Junkies ou até Alfred Azzetto, Carlos Vargas viu a sua carreira crescer muito rapidamente nos últimos anos. No Soulful e no Deep House assume-se uma referência, quer a nível internacional quer nacional. Nesta entrevista exclusiva ao Portal 100% DJ, definiu as suas produções musicais como um "conjunto de emoções" sendo que o objetivo "é trazer sensações positivas e alegria a quem a recebe". Revelou ainda os novos projetos que tem na manga e num remate final deu um conselho inspirador a todos os leitores.

 
Como nasceu a tua paixão pela música eletrónica, nomeadamente pelo Soulful, Deep, Vocal e House? 
Desde muito cedo que estive em contato com o Soul, o Jazz e o Disco. O meu pai é músico, temos um estúdio que partilhamos e onde fui absorvendo, conhecendo e trocando experiências com grande parte dos músicos com quem trabalho atualmente. A transição para o eletrónico deveu-se a um amigo que me colocou em contato com o House e digamos que não foi preciso muito para me apaixonar. Na minha opinião, aliar a quantidade correta de sonoridades eletrónicas à música, faz parte do futuro e é por aí que todos nós produtores e músicos devemos ir.
 
O que achas que falta em Portugal para este género se estender a todas as idades? 
O Soulful e o Deep House são ramificações de um só estilo, o House, que é sem dúvida a raiz de tudo o que se faz em termos de música eletrónica. Logicamente que estes estilos em específico poderão não ser os mais populares em determinadas frações de mercado, mas isso é absolutamente normal. Temos uma indústria mainstream global onde a música propriamente dita não tem muita relevância, que é muito forte em termos de imagem e marketing, vive do momento e das modas e com o qual não é possível competir. Apesar de tudo, considero que o House, nas suas mais variadas formas, continua bastante presente no nosso mercado, em todas as idades, a crescer cada vez mais e a ocupar o seu espaço por direito, que nunca vai perder. 
 

Gosto de definir a minha música como um conjunto de emoções, cujo objetivo é trazer sensações positivas e alegria a quem a recebe.

 
Os teus temas são de uma natureza única. Como gostas de os definir?
Como produtor, o meu grande objetivo é que a minha música soe a "Carlos Vargas". Tenho as minhas influências mas tento que elas não sejam a base do que faço. Tento soar sempre original e com uma sonoridade refrescante. Penso que todas as pessoas que fazem música, ou até qualquer tipo de arte vão concordar comigo quando digo que o nosso principal objetivo é ver o nosso trabalho ser associado a nós por quem nos ouve. Gosto de definir a minha música como um conjunto de emoções, cujo objetivo é trazer sensações positivas e alegria a quem a recebe.
 
Das tuas produções, qual achas que chegou mais além das tuas expetativas?
Em termos de exposição, terei que dizer o "Missing You", um tema que fiz com vocal da Nicole Mitchell, que editei pela inglesa Solid Ground Recordings e que chegou às compilações da Hed Kandi. Esteve duas semanas em primeiro lugar no top de vendas da loja online Traxsource e chegou a estar no top 10 de vendas do Itunes em Portugal, Alemanha, França, Itália ou Estados Unidos, entre outros. Em termos de trabalho musical propriamente dito, a remistura que fiz para o tema "Love Will Keep Us Together", do Vincent Valler e cujo original pertence a uma das minhas bandas de referência dos anos 90, os "James Taylor Quartet". Este foi, sem dúvida um dos trabalhos que mais gozo me deu fazer, até porque foi o primeiro trabalho que fiz para a Purple Music, com a qual atualmente trabalho de forma regular. Na altura foi o culminar de um dos meus objetivos.
 
Tens novos projetos com artistas internacionais ou nacionais que possas revelar?
Estou a preparar o meu próximo EP original, "Do Your Thang", com vocal da Nicole Mitchell, que vai sair precisamente pela Purple Music e que contará com remisturas de Seb Skalski, Dave Mayer e Alex Ander. Estou também a preparar um EP de colaboração com uma dupla sul-africana onde vou explorar sonoridades diferentes e que me está a agradar muito. Tenho igualmente o single do "Danço Balanço", que fiz com o Alfred Azzetto e que contará com vocal da Nicinha, quase a sair. Estou também a trabalhar com o Alfred num tema novo, um pouco diferente e com uma tendência mais eletrónica. Estou a preparar um outro EP que vai contar com vocal da Michelle Weeks, tenho um dueto com a Nicole Mitchell e o Al Olive para sair pela label Tony Records, do Tony Humphries, e estou a trabalhar no lançamento do meu primeiro álbum, onde vou contar com muitos convidados, inclusivamente alguns artistas portugueses e onde vou explorar vários estilos musicais. Se paralelamente a isto juntarmos todos os projetos que vou ter em termos de carreira e que não têm diretamente a ver com a produção, podemos dizer que estou um bocado ocupado para os próximos tempos, o que me faz de mim um homem muito feliz e agradecido.
 
 
Dentro do teu estilo o que gostavas de ver alterado em Portugal?
Portugal tem ao nível das infra-estruturas, casas que fazem corar de inveja muitos países da Europa. Logicamente que devido à força massiva do mainstream, custa ver espaços muito bonitos no nosso país a não darem tempo de antena ao House, mas temos que ser compreensivos e perceber que a força das massas é que mexe com toda a vertente económica da indústria da noite. Penso que com o tempo as coisas vão melhorar e que vai haver um crescimento do House no nosso país. Esta proliferação do "EDM" é um factor global e não podemos ser redutores ao ponto de pensar que só acontece no nosso país. Tudo vai crescer proporcionalmente.
 
Os teus temas são bastantes reconhecidos no estrangeiro. Achas que te pode estar a faltar algo a nível nacional?
Sinceramente penso que não. Uma carreira é construída com tempo, tem que ter alicerces, que demoram muito tempo a serem construídos. Penso que no meu caso em específico, eu e todas as pessoas que tenho a trabalhar comigo, estamos a fazer o trabalho que temos que fazer. Por muito cruel que possa ser, resumir as coisas a este ponto, o meu nome é a minha marca, e eu tenho que saber conciliar a minha sensibilidade artística em termos musicais com a frieza e calculismo que é necessário ter para se gerir uma carreira em termos comerciais. Se for a pensar há quanto tempo ando por aqui, tenho que me considerar um verdadeiro felizardo por tudo o que já consegui até agora, tanto em Portugal como lá fora.
 
Em poucas palavras descreve-nos as tuas atuações. 
Considero as minhas atuações um misto de sentimentos positivos, de festa, glamour, bom ambiente e harmonia entre todos os que estão envolvidos no momento. Gosto de pensar que consigo criar uma simbiose entre mim e o meu público, que nos estamos a divertir juntos, eles comigo e eu com eles.
 
Na tua opinião, achas que as estações do ano podem influenciar os estilos musicais?
É lógico que o ambiente e a própria pré-disposição das pessoas muda conforme o clima. Penso que faz sentido concordar que sim. 
 
Como vês o panorama do Soulful em Portugal?
A passar por muitas dificuldades, como é óbvio. O Soulful é um estilo de música muito específico, gosto mais de o enquadrar dentro do House. Considero-me um DJ e Produtor de House, onde o Soul, Funk e Disco têm uma influência muito grande. O Soulful House em si é para um mercado muito específico e restrito, que sabe o que quer ouvir e cujas influências os fazem ir um pouco mais além em termos de absorção daquilo que é a música propriamente dita. Com isto não quero de forma alguma criticar quem não gosta, até porque sou da opinião que só há música boa e má. Todos temos o direito de ouvir aquilo que nos faz mais felizes, é esse o objetivo da música e quem disser o contrário está enganado.

(...) tenham capacidade de sofrimento, muito amor à música, respeitem-se uns aos outros e sejam originais.

 
Menciona cinco adjetivos que te definam enquanto DJ/Produtor.
Apaixonado, dedicado, persistente, humilde e curioso.
 
Que mensagem gostarias de deixar aos leitores do Portal 100% DJ?
Que nunca desistam dos seus sonhos, mas que acima de tudo sejam pacientes, persistentes, tenham capacidade de sofrimento, muito amor à música, respeitem-se uns aos outros e sejam originais. Com todos estes ingredientes, e se realmente tiverem talento tudo pode acontecer.
 
Segue Carlos Vargas
    
 
Publicado em Entrevistas

São dois nomes incontornáveis da música eletrónica mundial. Depois do término dos Swedish House Mafia, a paixão pela música não ficou por ali. Axwell e Sebastian Ingrosso decidiram juntar as suas duas carreiras de sucesso e formar o projeto Axwell /\ Ingrosso. Os artistas suecos vêm apresentar o seu novo projeto musical ao MEO Arena em Lisboa, no próximo dia 18 de dezembro, num dos eventos mais esperados do ano: a Carlsberg Where's The Party. Poucos dias antes da sua atuação em Portugal, a equipa do Portal 100% DJ esteve à conversa com a dupla, acerca de vários temas como o nosso país, o cenário atual da música eletrónica, o Top 100 da DJ Mag e, claro, fomos saber como estão as espectativas para este evento.

Além da entrevista, em baixo poderás encontrar uma infografia que retrata os 10 melhores momentos da dupla, divulgados recentemente pela conhecida revista Billboard.

 
É a vossa estreia enquanto dupla. Quais são as vossas expetativas e o que podemos esperar da vossa atuação?
Nós já viemos a Portugal em separado e adorámos. Estamos sempre a ouvir os fãs online e o amor que têm por nós é fantástico. Esta atuação já está marcada há algum tempo e mal podemos esperar para subir ao palco!
 
Axwell, qual é a sensação de celebrar o teu aniversário com os teus fãs portugueses?
É um sítio lindo para celebrar! Ter todas aquelas pessoas para celebrar em conjunto vai fazer com que aquele dia seja muito especial.
 
Vocês agradeceram a todos os fãs pelo apoio dado em relação ao Top 100 da DJ Mag, onde ficaram colocados em 17º lugar. Vocês acham que a electronic dance music precisa de mais amor e menos campanhas e competições?
O mais fantástico em relação a este assunto é que nunca pedimos a ninguém para votar em nós. Sem apelarmos ao voto, os nossos fãs fizeram questão de votar em nós. Isso tornou tudo muito especial. Nós não nos importamos com posições ou tops, o que interessa são os verdadeiros fãs que vemos à nossa frente cada vez que atuamos.
 

Às vezes são as pessoas que ultrapassam a linha as que mais impacto causam.

 
Qual é a vossa opinião acerca do cenário da música eletrónica a nível internacional atualmente?
Existe muito talento e muita energia criativa por ai. A necessidade de evoluir e fazer coisas engraçadas nunca esteve tão bem.
 
Que conselhos querem deixar aos novos produtores?
Trabalhem muito. Mesmo a sério, trabalhem até não conseguirem mais. E não se importem se têm de seguir o estilo ou o modelo de alguém. Às vezes são as pessoas que ultrapassam a linha as que mais impacto causam.
 
Que mensagem gostariam de deixar aos nossos seguidores e leitores do Portal 100% DJ?
Muito obrigado por todo o amor e apoio!

Publicado em Entrevistas
sábado, 28 março 2009 22:06

Tudo a postos em Lloret de Mar

Está tudo a postos para a Semana mais Louca do Planeta!
Lloret de Mar já está vestida de Azul, cores da empresa líder no mercado de Viagens de Finalistas - SporJovem.

15.000 Jovens portugueses terão a semana das suas vidas em terras de nuestros hermanos.

É ao coordenar os diferentes grupos e no meio de uma gigante agitação que José Luís, Coordenador da Agência Sporjovem falou ao 100% DJ.

"As expectativas são sempre muito altas e nós tentamos sempre responder ás expectativas dos jovens. Temos variado a nossa oferta de actividades, desde Workshop's a Cartazes de DJ's, etc. Tentamos sempre perguntar a opinião dos nossos clientes, sobre o que gostariam de encontrar em Lloret."

Questionado sobre a crise que o país atravessa, José afirmou que esta afectou de alguma forma a venda de viagens. "Houve pessoas que se inscreveram e que depois tiveram que desistir devido a problemas financeiros. Mas em termos de números, eles mantiveram-se. Houve uma quebra ligeira de alguns grupos." acrescentou.

A noite em Lloret é de animação. Pelas ruas já se ouvem os últimos testes sonoros e já se vê caras bem conhecidas dos noctívagos.

Vai ser sem dúvida a mais animada e louca semana do planeta com a garantida 100% DJ.
Publicado em Nightlife
O novo festival de Lisboa - Nova Batida - vai ocupar este fim-de-semana a Lx Factory e o Village Underground, em Alcântara. O cartaz conta com mais de 50 artistas, processo longo que exigiu "muita reflexão e energia" conta a organização em entrevista ao Portal 100% DJ. Além de novos talentos a estreia deste festival traz a Lisboa os suecos Little Dragon, o britânico Gilles Peterson, a dupla Mount Kimbie, o nigeriano Seun Kuti, sem esquecer de talentos portugueses como é o caso de Riot, Octa Push e Rita Maia.
 
O festival começa a partir das 13 horas e além da componente musical terá ainda aulas de surf e ioga, festas em barcos e street food. Para saber quais as espectativas e o que podemos esperar desta primeira edição de festival Nova Batida, o Portal 100% DJ esteve à conversa com Dan Flynn, representante da Soundcrash, produtora londrina que organiza festas de música eletrónica em vários países. O Portal 100% DJ é Media Partner do evento.
 

Quais são as expectativas para a primeira edição de Festival Nova Batida?
Esperamos que a primeira edição seja uma experiência incrível para todos os envolvidos e mal podemos esperar que visitantes do Reino Unido e de outros países de todo o mundo testemunhem em primeira mão a vibração calorosa e acolhedora de Lisboa e dos seus residentes. Escolhemos Lisboa não só por causa da sua cena musical, mas porque é uma cidade próxima ao nosso coração por tantas outras razões. A perspetiva de ter a oportunidade de dar algo de volta à cidade é algo que é muito excitante para nós.

São mais de 50 artistas que fazem parte da programação. Foi difícil conseguir este cartaz? 
Foi um processo que levou muitos meses, então, é claro que demorou muito - construir um cartaz de festival exige muita reflexão e energia. Não poderíamos estar mais felizes com o nosso primeiro line up e estamos felizes em trazer um grupo tão talentoso de artistas. Também foi ótimo que tantos artistas de Lisboa estivessem tão entusiasmados em juntar-se ao cartaz e estamos muito contentes por ter tantos representantes da música eletrónica nacional.

Que critérios tiveram em conta na hora de escolher os artistas?
Dos artistas ao vivo que selecionámos, escolhemos artistas que tinham músicas novas a serem lançadas - garantindo que todas as apresentações no festival fossem frescas e excitantes para o nosso público. Como disse anteriormente, também queríamos que muitos artistas portugueses participassem - algo que certamente continuaremos em 2019.
É comum que nos festivais alguns artistas realizem alguns pedidos mais excêntricos à organização. Há algum que vos tenha surpreendido particularmente?
Depois de anos a trabalhar na indústria da música não há muito que nos surpreenda. Para a Nova Batida todos os artistas do line up deste ano mostraram-se muito humildes.

No que se diferencia o vosso festival dos outros?
Acho que é uma combinação de muitas coisas diferentes. O festival principal está dentro dos locais super coloridos e criativos do Village Underground e da LX Factory, mas também há uma festa na praia no domingo dedicada aos participantes que pretendem estar junto da natureza. Temos uma linha de música ampla, mas coesa, da qual estamos muito orgulhosos e sabemos que haverá alguns momentos loucos quando Little Dragon, Mount Kimbie e outros subirem ao palco, mas também mal podemos esperar que os festivaleiros descubram os seus novos DJs favoritos numa área diferente. Também é diferente em que há uma grande comunidade de amantes da música do Reino Unido, França e Alemanha a visitar a cidade, mas também haverá uma grande percentagem de moradores locais no coração da festa. Mal podemos esperar que as vidas destes amantes da música de toda a Europa colidam - vai ser um momento encantador.

Além da componente musical, o que poderão assistir os festivaleiros do Nova Batida?
Temos várias atividades extras disponíveis, desde aulas de surf até aulas de ioga, festas em barcos e muito mais.

Em futuras edições, a cidade de Lisboa continuará a ser o local de eleição para acolher este festival?
Sim, vamos colocar bilhetes da edição de 2019 à venda em breve, apenas um ano do Nova Batida em Lisboa não chega. Vemos isso como um projeto de longo prazo e esperamos ser muito, muito felizes aqui.

Que recomendações gostaria de deixar aos festivaleiros?
Para aqueles que ainda não tiveram a experiência de ir a um festival de música em Lisboa, vão ser bem recebidos. Para os que já foram a eventos do mesmo género, já sabem o quanto se vão divertir!
 
Publicado em Business
terça, 27 dezembro 2011 21:31

A palavra de ordem é apenas: dançar!

Dispensa qualquer tipo de apresentação. Comunicador nato e já com uma bagagem um tanto quanto robusta, Henri Josh, descreve-se em termos profissionais com uma só palavra. É conhecido não só pelos seus excelentes trabalhos de produção de música, como também por ter sido residente do  Sasha Beach em Portimão durante o Verão 2008 e 2009.
Sempre fiél ao Projecto 100% DJ, aceitou com agrado e sem hesitação a proposta para falar connosco. O resultado está à vista.

 

Qual o teu verdadeiro nome e  porquê “Henri Josh”?
José Henrique Lopes. E daí vem o Henri Josh - “Henri” de Henrique e “Josh” de José.
Inverti o nome e passei-o para inglês, foi simples.

Como tudo começou?
Começou com muitas agulhas partidas em casa dos meus avós (risos), uma aparelhagem, um leitor de cassetes e a tentar misturar ou fazer passagens com esse material. Entretanto, e já depois de trabalhar á noite, surgiu a oportunidade para ser DJ e agarrei-a com unhas e dentes.

Nas actuações que fazes, dás tudo por tudo para que o party people se sinta bem, no entanto, parece-me que quanto a ti, és um bocado tímido... Concordas?
Sim, é verdade. Quando não estou a trabalhar tento ser sempre o mais discreto possível, talvez por ser um pouco tímido.

Tens algum ritual que costumas fazer antes de subir às cabines?
Sim, gosto sempre de chegar um bocado mais cedo, beber um copo e ver o ambiente. Penso que é importante para começar a trabalhar.

Tencionas continuar as produções dentro de Portugal?
Sim. Portugal neste momento é o meu mercado principal e onde tenho mais fãs. Para além disso, recentemente comecei a trabalhar com a Vidisco e quero continuar com esta parceria, claro que nunca coloco de parte o mercado internacional onde também tenho dado cartas e remisturado com nomes muito interessantes.

Como surgiu, para ti, o conceito do 'Sasha'?
O projecto 'Sasha' surgiu através da forte ligação de amizade que tenho com a Helga Barroso e com o Luís Evaristo que, por intermédio da Wdb Management, convidaram-me para ser DJ Residente e eu aceitei com muito orgulho! Foi um projecto brutal.
 

"(...) os DJ's mais novos começam mal as suas carreiras e daí vem a tal falta de leitura de pista e conhecimento musical. Quando eu comecei, era impensável não ser DJ residente antes de ser Freelancer."

 
Concordas com alguns colegas teus, quando dizem que há excesso de DJ’s, e falta de bons conhecimentos de leitura de pista e fraco conhecimento musical?alt
Sinceramente não acho que haja excesso de DJ's, mas sim que os DJ's mais novos começam mal as suas carreiras e daí vem a tal falta de leitura de pista e conhecimento musical. Quando eu comecei era impensável não ser DJ residente antes de ser Freelancer devido exactamente a esse facto. É um conselho que dou a quem está a começar, tentem arranjar um sítio para tocar regularmente para quando surgirem as verdadeiras oportunidades, estarem à altura.
 
O que consideras ser um bom DJ?  
Para mim um bom DJ é exactamente aquele que tem uma boa leitura de pista, boa técnica, criatividade, etc.… Seja qual for o estilo.

Em 2009 foste nomeado pela Revista Noite.pt como 'Melhor Produtor Nacional'. Não ganhaste o prémio. No entanto, a vida continua e os desafios aumentam. Para o novo ano  vais repetir a proeza, de, pelo menos, ser nomeado? Que surpresas nos irás trazer?
Sim, espero repetir a proeza, afinal de contas tenho trabalhado bastante para isso. Além dos dois originais co-produzidos com os Funkyou2 que são o "I Just Wanna Dance", com a participação da Helga Barroso & Co, e o tema "Why?! (Can´t i Forget You), remisturamos também artistas como Santos e Pecadores, Per7ume e Phil Kay. A solo já lancei um original pela "Suara, editora do produtor revelação espanhol Coyu, que se chama “Pequena” e ainda um novo original com o Mc Katorz “Celebrate The Day”.
Num futuro próximo irá ser editado também um remix para mais o produtor espanhol Gabi Newman.

Em termos de produção, quando produzes, fá-lo a pensar em alguém ou em algo que te motiva?
Nem por isso, as coisas fluem naturalmente, já esta no sangue.

Para quem ainda não te conhece, em suma, como te descreves?
Em termos profissionais, uma só uma palavra - Festa!

Quem já te ouviu ao vivo, ou por CD, ou por outros meios, sabe a tua diversidade de misturas que consegues obter. Tanto és capaz de misturar pop, como de seguida, rock… Sempre dentro do estilo house. Achas isto um dom que tens, visto não ser nada fácil estar a pensar numa batida pop e de seguida outro estilo?
Não acho que seja um dom, mas sim fruto de muito trabalho de casa. Esses mixes normalmente são feitos por mim e a maneira como são encadeados no set sim, é pura inspiração do momento.
 

"Conheci o Projecto 100% DJ através das redes sociais"


Conheces o Projecto 100% DJ à quanto tempo? E como soubeste de nós? Alguma sugestão para nós?
Conheci o Projecto 100% DJ através das redes sociais e acho que têm vindo a fazer um bom trabalho até agora. Estão ainda em fase de crescimento e no bom caminho. Força!

 

Publicado em Entrevistas
 
André Reis e Carlos Silva dão nome e vida à dupla 'Karetus' - um projeto surgido no ano 2010 com influências nos mais variados estilos de música eletrónica. De entre atuações em diversas festas estudantis e clubs de renome, o ano de 2012 ficou também marcado pelo lançamento do seu EP 'Entrudo' na Rottun Records, que serviu de palco para o seu reconhecimento a nível internacional. Sem hesitações, nem 'papas na língua', consideram que "o objetivo não é lançar muita música mas sim fazer música com qualidade." Nesta entrevista exclusiva, revelaram-nos que a curto prazo irá ser lançado pela editora DIM MAK, o remix da "New Ivory - Day By Day" e que o "futuro da música eletrónica passa pela criação de novas sonoridades e fusão entre as mesmas".
Na conversa que tivemos ficou também claro, que esta dupla é sinónimo de dedicação, originalidade e talento, sendo sem dúvida um nome a ter em conta nos próximos anos.
 
 
Como é que surgiu a ideia de criarem uma dupla?
Já nos conhecíamos há uns anos e apesar de termos influências musicais diferentes pensámos em unir ideias e criar algo com o qual nos identificássemos. É desta fusão e influências que partimos para o projeto 'Karetus'.

Porquê 'Karetus'?
Queríamos um nome que fosse "português" e que revelasse a nossa nacionalidade. Karetus são figuras típicas de uma tradição transmontana que aparecem para fazer diabruras em alturas como o Carnaval e na época Natalícia (dependendo da aldeia e tradição) e que transmitem alegria, tradição e animação. Foi um nome pensado e estudado para que tivesse algo relacionado connosco e com a nossa maneira de estar.

Consideram que o lançamento do EP 'Entrudo' foi imprescindível para se darem a conhecer ao grande público?
Sem dúvida. Foi editado pela 'Rottun Records' de Excision e atingiu o Top 5 mundial em inúmeras categorias - Dubstep, Electro, Glitch Hop, Drum and Bass e Electro. Foi sem dúvida o que nos projetou a nível internacional e que abriu as portas que pretendíamos.

A "Future is Now", alcançou a sétima posição da loja digital - Beatport. Como receberam essa notícia e o que sentiram?
Com enorme agrado. Foi o primeiro passo para sabermos qual o caminho que podíamos seguir.

Que 'ingredientes' consideram essenciais para uma música 'ficar no ouvido'?
O essencial é ser feita com tempo, dedicação e enorme atenção aos detalhes. Tentamos fazer tudo com tempo e sem precipitações. O objectivo não é lançar muita música mas sim fazer música com qualidade.

É para o nosso público que trabalhamos diariamente e são eles a nossa motivação para continuar a trabalhar.


Qual o tema que vos deu mais prazer a produzir e porquê?
Todos os temas têm a nossa dedicação. Damos o nosso melhor a cada música feita.

Estão nomeados nos "Cows On Patrol Awards 2012" para 4 categorias. (Melhor DJ Dubstep; DJ Revelação Dubstep; Melhor Produtor Dubstep; Melhor Tema Dubstep.) O que representa para vocês estas nomeações?
Agradecemos todos os prémios que nos são atribuídos mas não é o nosso objectivo ser "premiados". O nosso prémio é diário e é dado por quem nos manda mensagens, assiste às nossas actuações e ouve a nossa música. Recebemos prémios todos os dias e queremos continuar a receber. É para o nosso público que trabalhamos diariamente e são eles a nossa motivação para continuar a trabalhar.
[Nota de redação: Esta entrevista foi realizada antes de serem conhecidos os vencedores. 'Karetus' venceram na categoria de ‘Melhor Produtor Dubstep’.]

Recentemente Steve Aoki passou no seu Radioshow um remix vosso. É motivo de orgulho?
Sim. O Steve Aoki tem passado regularmente o nosso remix dos New Ivory nas suas atuações e nos programas de rádio. É uma faixa que vai sair muito brevemente na sua editora, a DIM MAK.

São defensores da máxima "O que é nacional, é bom"?
Sem dúvida. Portugal tem muitos e bons produtores. Felizmente temos um excelente relacionamento com a maior parte dos artistas nacionais e se fizermos o que outros artistas internacionais fazem (como os suecos ou holandeses), só temos todos a ganhar. Precisamos de dar mais valor ao que é nosso porque temos qualidade para conquistar o mercado internacional.
 
O que podemos esperar dos 'Karetus' a curto prazo?
Muito trabalho, novos lançamentos quer sejam a 'solo' ou colaborações com outros artistas. Queremos continuar a divulgar o nosso trabalho e a nossa sonoridade eclética. A prova disso são as produções com artistas tão diferentes como Nicky Romero, Nervo, Skism, Far Too Loud e tantos outros...
Julgamos que o futuro da música eletrónica passa pela criação de novas sonoridades e fusão entre as mesmas. Inovar e criar mais e melhor... É esse o nosso objectivo para podermos partilhar com todos os que nos seguem a nossa música..

Que mensagem gostariam de deixar aos leitores e ao vossos seguidores?
Muito obrigado a todos vocês por nos apoiarem na nossa carreira e no nosso sonho. Não é que os nossos fãs sejam melhores que os fãs dos outros... Mas na verdade são!
 
 
 
Publicado em Entrevistas
Vando Camarinha tem 28 anos e depois de conquistar o território nacional, começa agora a dar cartas no mundo da música eletrónica a nível internacional, através de imagens capturadas por si, no momento certo. Natural do Porto e formou-se em Multimédia pelo Instituto Superior da Maia, unindo assim várias das suas paixões: design gráfico, vídeo e fotografia. Fica a conhecer melhor a sua personalidade e trabalho através da entrevista que lhe fizemos.

Como começou a tua história no mundo da fotografia ligada à música eletrónica? 
Foi há 5 anos. Eu trabalhava na noite como fotógrafo e o meu melhor amigo veio à discoteca nessa noite e acabou por me fazer a pergunta: “Vando já que gostas tanto de fotografar, porque não apostas em festivais de música?”. A partir daí comecei a pesquisar sobre alguns trabalhos de alguns fotógrafos profissionais na área dos festivais e com alguns contactos que tinha fui convidado a fazer os meus primeiros festivais. Estava um pouco nervoso no início porque não sabia onde me ia meter! Mas a partir desse momento foi ‘sempre a abrir’. Adoro a fotografia de ambiente festivaleiro, adoro música eletrónica e esses dois temas juntos é perfeito para mim e para o que eu faço!

Que festivais e artistas já fotografaste? 
Portugal: MEO Sudoeste, EDP Beach Party, Melhores do Ano, RFM Somnii, Mega Hits Kings Fest, I’ am Hardwell. Internacionais Inox Park Paris e Elektric Park Festival. Artistas: Dannic, Hardwell, Martin Garrix, Bob Sinclar, Laidback Luke, Dimitri Vegas & Like Mike, Sebastian Ingrosso, Showtek, DVBBS, Thomas Gold, Lost Frequencies, Alesso, Pete tha Zouk, Kura, Nervo, Don Diablo, Bassjackers ,Tujamo, entre outros.

Que história caricata podes contar sobre um dos teus trabalhos?
Tenho várias, mas uma que recordo mais foi quando estava a fotografar as NERVO em Paris e no momento em que ia a sair do palco, acabei por cair de cu no chão! No momento senti-me um pouco envergonhado porque tinha todas as pessoas a olhar para mim e porque foi o primeiro festival que fiz internacionalmente. Como devem calcular, as pessoas começaram-se a rir e eu com a minha calma toda disse-lhes que era uma coisa normal quando se ama o que se faz! 

Que artista gostaste mais de fotografar? 
Kura foi sem dúvida um dos que mais gostei de trabalhar. Para além de humilde, foi das pessoas que mais apostou em mim e que me deu força para continuar a fazer mais e mais neste ramo! 
 
Que material fotográfico aconselhas para um jovem fotógrafo que queira seguir os teus passos? E algumas dicas?
De material fotográfico aconselho para os iniciantes desta modalidade, a Canon 550D ou Canon 700D. Para iniciar é perfeita para praticar. 
Pesquisando, inovando e tendo sempre uma open mind, isso é a melhor dica que podem ter. Não se deixem intimidar por ninguém, sejam simples, humildes, idealizem, concretizem e principalmente sejam unidos.

Quais os eventos e artistas que mais gostarias de fotografar?
Ultra Music Festival e Tomorrowland.
 

Publicado em Zoomdrop
É um dos jovens talentos da música eletrónica nacional e um dos mais reconhecidos na sua terra natal: os Açores. Depois de ter alcançado a posição número 21 do Top 30 de 2016 do Portal 100% DJ e de subir ao palco do RFM SOMNII, a redação esteve à conversa com o artista sobre a sua carreira e o futuro da mesma.
 
 
Em 2014 recebeste uma Medalha de Mérito na área da Cultura e Juventude do Município da Praia da Vitória e em 2016 ficaste na posição número 21 do TOP 30 do Portal 100% DJ. O que representam para ti estas distinções? Influenciaram a tua carreira?
É sempre bom ser valorizado pelo trabalho que desenvolvemos, onde para mim, a principal distinção é o reconhecimento do público e estes prémios são o reflexo disso. Ser considerado um artista consagrado na minha região foi uma das maiores conquistas que obtive. Cresci artisticamente a ouvir a expressão “santos da casa não fazem milagres’’ e a verdade é que no início senti isso na pele, tal como a maioria dos artistas, seja em qual área. É preciso trabalhar e insistir, e muitas vezes, ser reconhecido primeiro ‘lá fora’ para depois ser valorizado por cá. Não posso dizer que tenha sido assim comigo, pois sempre senti o carinho dos meus e sempre me preocupei em criar uma ‘fan base’ sólida antes de me lançar para outros patamares, mas obviamente que se acaba por estar no centro das atenções após conquistar algo além da tua região. E esta medalha de mérito reflete um pouco os dois panoramas: o trabalho e as conquistas fora da região e o carinho do público e o reconhecimento das instituições locais. E claro, não podia estar mais contente por isso. Recentemente, com a distinção no TOP 30 do Portal 100% DJ, senti que este carinho e este reconhecimento era maior do que eu esperava quando entrei na posição número 21 e claro, estou grato por todo o apoio do público. Para mim estas distinções deram-me motivação extra e a responsabilidade de entregar mais e melhor trabalho ao público que me acarinha e consequentemente deu-me a oportunidade de subir a outros palcos que sempre desejei.
 
Fala-nos do teu mais recente single e do seu feedback junto do público.
Tem surpreendido o público pela positiva. Muitas pessoas não associaram à primeira o tema ao meu trabalho desenvolvido no passado enquanto artista. E isso é bom, era algo que pretendia, surpreender e mostrar ao público que me conhece simplesmente como DJ ou mesmo pela componente de produtor do chamado EDM, que sou e que tenho desenvolvido muito mais artisticamente para além disso. Tenho-me preocupado pouco em fazer música para a pista de dança, mas sim para as pessoas. Eu no meu dia a dia ouço de tudo um pouco, considero-me uma pessoa eclética musicalmente e não só. Acho que este tema é o resultado disto. Penso que este tema reflete uma maturidade musical e pessoal e as pessoas aperceberam-se disso. O tema tem uma forte influência do universo Pop e RnB desde os acordes de guitarra à voz do TonyB, com bases rítmicas que vão do Trap, influenciado pelo Hip Hop que ouço constantemente às sonoridades tropicais e sintetizadores eletrónicos. Ou seja, acabo por concentrar todas as minhas influências no processo criativo e de composição do tema desde o início.
 
Dizem que o público dos Açores é imparável. Quais são as principais diferenças entre o público do continente e dos Açores
Sem dúvida que é! É um público que vibra connosco e que sente toda a energia que lhes é transmitida do palco. Ao mesmo tempo é um público atento e diversificado, num só festival ou evento há uma variedade enorme de gostos musicais. Pode ser um público difícil de se agarrar, mas depois disso está garantida a festa! Principalmente nas camadas mais novas vê-se muitos “die-hard fans” que seguem os artistas para todas as ilhas e festivais da região e que vibram com toda a energia na frontline. Não me posso queixar de forma alguma, adoro todos os fãs que vibram e vêm falar comigo após o espetáculo. É por eles que faço e continuo a fazer o que faço. São os maiores! Em relação a diferenças de público, não há públicos melhores nem piores. Acho apenas que com a oferta enorme que há de eventos no continente e festivais hoje em dia, acaba-se por encontrar públicos muito específicos em Portugal Continental, quando nos Açores é um público um pouco mais vasto em termos de gostos e idades devido à menor oferta de eventos ao longo do ano. No continente quando sou convidado para certo festival ou evento, já tenho uma ideia do que tocar ou o que resultará melhor na pista. Nos Açores é sempre uma surpresa, o que acaba por ser interessante e desafiante.
 

Sempre quis explorar outras vertentes do que é um espetáculo

 
Que novidades podes desvendar acerca da tua carreira nos próximos meses?
Este Verão apresentei pela primeira vez o meu live show. Era uma ideia que já tinha à algum tempo. Sempre quis explorar outras vertentes do que é um espetáculo e achei estar preparado para o fazer. Juntamente com um baterista, guitarrista e MC, fui disparando versões ao vivo dos meus singles e vários edits e remixs, com a ajuda dos músicos que os iam interpretando. Quero continuar a explorar esta vertente nos próximos meses e ando também a preparar um DJ set mais completo e dinâmico com visuais, desde videomapping, luzes e efeitos. Quero também continuar a desenvolver a comunicação perto dos fãs e tentar chegar a outros palcos e cidades por onde ainda não passei. Para além disso estou já a trabalhar nos próximos singles, a tentar trazer algo diferente e fresco do que tenho desenvolvido. O trabalho está a ser feito, portanto veremos o que o futuro nos reserva.
 
Que balanço fazes da “Fall Tour”, que incluiu uma atuação no RFM Somnii na Figueira da Foz?
Super positiva! Foi um verão repleto de datas, de novos palcos, novos locais e a receção foi sempre calorosa. Uma das coisas que me deu mais prazer foi as pessoas reconhecerem os meus singles, principalmente a nova música que lancei este ano, a “Fall”, não há melhor sentimento que vermos as pessoas reconhecerem e cantarem a música que fizemos ao longo de meses de trabalho e dedicação. Tocar no RFM Somnii foi mais um sonho tornado realidade! Tocar e estar ao lado de nomes como Tiësto e Armin van Buuren numa das maiores beach partys da Europa é uma sensação única.
 
De que forma é que lançar um tema numa editora de prestígio como a Vidisco pode ajudar uma música a alcançar o sucesso?
Infelizmente, não basta fazer boa música nos dias de hoje. Cada vez mais é preciso planeamento, marketing e acima de tudo networking para fazer a tua música chegar às pessoas. Apenas colocar a música nas nossas redes sociais e em plataformas como Soundcloud estamos a limitar em muito o nosso target e o potencial do tema. Muitas vezes, a música está pronta para lançamentos, mas temos de ser pacientes e perceber o que está em volta do business por de trás de uma indústria criativa e artística como a música. Traçar um plano de marketing, ter uma boa distribuidora, uma boa editora, fazer uma boa comunicação, ter uma boa assessoria, faz com que o potencial do tema seja exponencial. Editar por uma editora reconhecida e conseguir um bom acordo de publishing foi o que sempre tentei fazer com a minha música. Afinal de contas, estamos a ‘entregar’ o nosso trabalho de meses e anos a alguém.
 

Fico sempre surpreendido com a tranquilidade e humildade no backstage daqueles que dão os show mais energéticos em palco.

 
Embora com uma curta carreira, já tiveste contacto com inúmeros artistas internacionais. Qual ou quais os que mais te surpreenderam e porquê?
Felizmente já tive a honra de partilhar o palco com alguns dos maiores artistas internacionais do momento. Fico sempre surpreendido com a tranquilidade e humildade no backstage daqueles que dão os show mais energéticos em palco. Falo de nomes como Borgore, Tony Junior, R3HAB, Bl3nd, que dão tudo em palco, mas que ‘behind the scenes’ são super tranquilos e têm tudo controlado desde horas de descanso e refeições. Afinal de contas, são artistas que vem de tours internacionais muitas vezes com um imenso desgaste físico e psicológico.
 
Que mensagem gostarias de deixar aos leitores e seguidores do Portal 100% DJ?
Primeiro que tudo, um muito obrigado! Que continuem a apoiar a música eletrónica e os artistas portugueses. E que quem deseja, um dia, fazer carreira da música eletrônica que não desista dos seus objetivos, mas que esteja preparado para muito trabalho, sacrifício e, acima de tudo, persistência. Por fim, não posso deixar de agradecer ao Portal 100% DJ por tudo o que tem feito por todos nós na divulgação do melhor que se faz por cá na música eletrónica!
 
Publicado em Entrevistas
segunda, 05 novembro 2012 00:12

The Fox: Talento, técnica e experiência

Ser um DJ de referência implica talento, técnica, anos de experiência, contacto com várias culturas e sobretudo, a partilha de experiências – algo inato e acessível para The FOX.
Teve o seu primeiro contato com a música aos 7 anos de idade, na Alemanha, país onde nasceu. Dez anos depois, entra como animador numa das rádios mais concorridas da grande Lisboa e, em 1994, junta-se aos fundadores da Antena 3, para ficar responsável pelo programa "Planeta E". Na área da televisão é o mentor e produtor do programa "Dance Tv". Gosta de boa música e é um ouvinte atento.
Na entrevista exclusiva ao Portal 100% DEEJAY, revela que está a “cozinhar” alguns projetos, nomeadamente o lançamento de 2 EPs, e analisa vários factos que estão a acontecer na noite nacional.
 
 
Nasceste na Alemanha. Foi lá que tiveste o primeiro contacto com o mundo do Djing? Conta-nos essa primeira experiência...
Nesta perspectiva, posso dizer que provavelmente o primeiro contacto foi com um gravador duplo de cassetes, no qual brincava com passagens. Tinha 7 anos.

A Rádio foi e continua a ser uma boa escola?
Claro. A rádio é um universo excelente para se estar em contato com música, experiências e todo um leque de situações que ajudam quem quer estar envolvido na indústria.

Como surgiu a ideia de criar o "Dance TV"?
O "Dance Tv" já era um sonho quando comecei a fazer o "Planeta E". A ideia era conseguir levar para o pequeno ecrã, aquilo que se fazia no programa e mais além.

Consideras que ser DJ está mesmo na moda e qualquer pessoa o pode ser? É algo negativo e prejudicial o surgimento de tantos DJs?
Esta questão é complicada de se explicar. Por um lado, pode ser benéfico porque mais ideias entram no mercado, por outro lado a saturação e a banalidade pode estar a ser lançada. Julgo que neste ponto apenas os verdadeiros DJs se conseguem manter como profissionais da área. O resto são curiosos.

De certa forma, fazes parte da fase old school da dance scene nacional. Como vês o atual DJing que por cá se pratica?
Acho que além de ter virado moda, muitos dos novos DJs não tocam com aquilo que lhes vai na alma. Seguem apenas artistas e estilos que estão na ordem do dia.
 

Julgo que neste ponto apenas os verdadeiros DJs se conseguem manter como profissionais da área. O resto são curiosos.


Como vês a mudança dos estilos musicais que tem ocorrido nestes últimos 5 anos?
Isso foi algo que sempre aconteceu, estamos numa fase em Portugal onde o comercial parece querer tomar as rédeas, mas tenho a sensação que isso não vai durar muito. Mas foi sempre assim.

Tu que, mais que ninguém estás dentro do meio, de maneira geral como classificas a promoção e divulgação da música electrónica via rádio e televisão?
Julgo que em termos de rádio já estivemos melhor. As atuais playlists estão demasiado óbvias e ninguém arrisca.

Dos DJs com quem já partilhaste a cabine, qual foi aquele que te marcou mais e porquê?
O Sven Väth, pela sua consistência, os Deep Dish pela música e tantos outros que em determinadas noites me puseram a dançar.

Foste residente em casas míticas como a Kremlin e a Locomia. Como é que olhas para esse passado? Com algum sentimento de saudade? Esses clubes fazem falta na noite?
Claro que fazem, eram casas de culto que todas as semanas tinham algo de muito bom para oferecer. O mercado e estado do país eram outros. Agora o dinheiro escassa para os produtores e já não podem "inventar tanto".

Quais as tuas influências musicais?
Gosto de boa música. Sempre fui um ouvinte atento. Bandas como Led Zeplin, Pink Flyod, U2, Stone Roses, Peter Murphy; fazem parte da minha discografia. Na área da eletrónica, procuro aquilo que mexe comigo e temos tido muito boas coisas a sair.

Das tuas produções, qual destacas e porquê?
Estou em estúdio a preparar o lançamento de mais 2 EPs. Mas o tema que tem gerado mais buzz, destaco a remix de "Back to Life", que fiz para o Mikkel Solnado. Mas claro, as que vão sair serão as mais apetecíveis.

Na tua opinião, existe algum produtor ou DJ português que esteja a ter bons trabalhos que achas que valha a pena ser destacado?
Acho que ainda falta um bocado de mais experiência a muitos bons produtores nacionais. Mas destaco o A.PAUL com toda a equipa das suas editoras, o Mikalogic, Jay A, entre outros.

Como vês o futuro da música eletrónica?
Com muitos bons olhos, visto estar a crescer cada vez mais. Os principais festivais já não descuram os DJs. A tendência musical que esta a crescer nos EUA é a eletrónica e isso só pode ser positivo.

Em relação à organização de eventos de música electrónica em Portugal... Há mais profissionalismo do que há uns anos atrás? As produções são melhores?
Infelizmente não temos tido tantas grandes produções como antigamente, mas acho que estão mais cuidadosos.

Neste momento que projetos tens em mãos?
Tenho, como disse, 2 EPs a sair, uma compilação nacional e mais umas propostas de programas de rádio.

O que podemos esperar de The FOX a curto prazo?
Música de qualidade!
 
 
Management | EUROPA
www.europaagency.com
 
Publicado em Entrevistas
Miss Sheila acaba de completar 15 anos de carreira, com o lançamento da sua editora “Digital Waves”, onde pretende encontrar novos talentos da música eletrónica. É uma das melhores DJs a nível nacional, sempre fiel ao seu estilo próprio e já deu muitas cartas no estrangeiro. Depois de ter sido destacada como uma das 20+ de 2014 pelo Portal 100% DJ, a artista concedeu uma entrevista exclusiva, onde fala sobre a sua carreira, o preconceito em relação às DJs e o estado da música eletrónica na atualidade.

 

O que te levou a fundar a editora "Digital Waves"?
A "Digital Waves" já é um sonho desde do tempo que trabalhava com a "Kaos Records". Sabia que um dia queria ter a minha própria editora, mas primeiro precisava de alguns anos para aprender tudo o que era preciso para geri-la, assim como dominar a área da produção musical. Para mim isto era fundamental.
 
Que novidades relativas à carreira da Miss Sheila poderemos ouvir nos próximos meses?
Estou a trabalhar em vários temas que irão ser lançados pela minha editora e não só. Vou começar a preparar a primeira mixed, uma compilação para a editora que também será da minha autoria.  Tenho mais alguns projetos, mas esses para já estão nos segredos dos deuses.
 

Sabia que um dia queria ter a minha própria editora (...)

 
Preferes atuar em pequenos clubes ou em festivais de maior dimensão?
Gosto dos dois de maneiras diferentes. Quando toco em festivais, é claro que não é tão pessoal e intimista com o público como é num clube, mas tenho que dizer que atuar para as massas também é muito bom, pela quantidade de pessoas a curtir, a energia é multiplicada vezes sem conta. Quem me conhece sabe bem que adoro clubes pequenos, pois também essa é a altura em que temos contato quase direto com o público e conseguimos ver cada expressão na cara das pessoas consoante a música, pois consigo ouvir o que cada um me diz e sentir o amor que me dão. É completamente diferente mas ambos muito bons.
 
 
Qual é a melhor memória que guardas dos teus 15 anos de carreira?
Como devem calcular, tenho memórias sem fim e seria impossível mencionar tantas, mas penso que as que me marcaram mais foram no início da minha carreira, onde tudo era novidade e não estava a acreditar o que me estava acontecer. Vivíamos tudo com muita intensidade e ter massas de gente à nossa frente tinha tanto de bom como de "medo"!
 
Quem são as tuas inspirações?
No início da minha careira, a minha inspiração, todos sabem que era o DJ Vibe, eu dizia que ele tinha quatro mãos e trocava-me as voltas constantemente. É claro que ele ainda continua a ser uma inspiração, mas hoje em dia temos muito mais acesso a DJs e produtores que não tínhamos na altura e sem dúvida tenho agora muitos mais que me inspiram, incluindo mulheres, coisa que antigamente não sentia. Hoje já posso dizer que finalmente há mulheres à séria no panorama da música eletrónica, como a Nicole Moudaber por exemplo.
 
Com quem gostarias de vir a colaborar um dia?
Adorava colaborar com o meu produtor preferido da atualidade que é o argentino Adrian Hour, pois ele faz música que me enche as medidas. É claro que não é só ele, mas assim a lista seria infinita.
 
Que sonhos ainda tens por concretizar, a nível pessoal e profissional?
A nível pessoal, penso que passa por ter um filho, mas não para já! A nível profissional, tenho vindo a mentalizar-me para perder o medo de voar, porque ainda gostava de correr o mundo a fazer o que mais amo!
 
Qual é a tua opinião sobre a música eletrónica dos dias de hoje?
Está totalmente diferente do que era. Para começar, muita da música que hoje chamamos de techno antes chamava-se house. Há uma fusão enorme nos estilos musicais e como não podia deixar de ser, torna-se cada vez mais difícil catalogar um género musical. O certo é que nos últimos anos ouve um "boom" enorme de música eletrónica à volta do mundo, independentemente de ser "EDM", comercial, techno ou hard techno, tudo é música eletrónica!
 

(...) os meus fãs sabem o quanto levo a minha carreira a sério (...)

 
Sentes que ainda existe preconceito em relação às carreiras femininas de DJ?
Sim, infelizmente ainda sinto, mas sei que não é só nesta área. Penso que continua a ser em praticamente todas as profissões do mundo. É certo que já não é tão evidente para DJs como era quando comecei, mas em parte a culpa também passa por algumas mulheres decidirem ridicularizar a profissão, ao atuarem de topless, etc... Depois somos julgadas de forma global e não somos levadas a sério! Claro que não sinto que entro nesse campeonato. Sei que pelo menos os meus fãs sabem o quanto levo a minha carreira a sério, mas não tenho duvidas que nós, mulheres sérias, temos que trabalhar o dobro para sermos vistas e respeitadas como verdadeiras artistas.
 
Dentro do teu estilo musical, o que gostavas de ver alterado em Portugal?
Não vejo assim grandes coisas que tenham que ser alteradas, "underground" é mesmo isso. Não é para as massas, nem é para dar muito nas vistas. Para já, temos promotores que fazem festas e também já temos festivais para o género musical, por isso está muito bem!
 
Segue a Miss Sheila
     
 
Publicado em Entrevistas
Pág. 1 de 6
100% DJ. Projeto editorial independente cujos valores se guiam pelo profissionalismo, isenção e criatividade, tendo como base de trabalho toda a envolvente da noite nacional e internacional, 365 dias online.

Newsletter

Recebe novidades e conteúdos exclusivos no teu e-mail.